Confraria Floydstock

Música é assunto para a vida toda

PUBLICIDADE

Syd Barrett: Em The Madcap Laughs o louco deixava seu brilho cult como legado

Syd Barrett - The Madcap Laughs
Syd Barrett - The Madcap Laughs

Um mês após ser definitivamente afastado da banda que criou, Syd Barrett ainda era a alma do Pink Floyd, tanto para o público da época, como para a gravadora EMI, que obviamente queria lucrar com uma espécie de “The Piper at Gates of Dawn” número 2, ou “saideiro”.

A consequência disso fora uma reunião de músicos e produtores envolvidos em alavancar e realizar o primeiro álbum solo de Barrett, o cultuado “The Madcap Laughs“, que teria seu processo de gravação entre maio de 1968 e agosto de 1969, para ser lançado somente em 3 de janeiro de 1970.

Entre os músicos envolvidos estavam membros do grupo Soft Machine, tais como Hugh Hopper, Mike Ratledge e Robert Wyatt e do Humble Pie, como o baterista Jerry Shirley, além dos companheiros de Floyd, David Gilmour e Roger Waters, que se dividiram na guitarra, baixo e produção, fazendo-o paralelamente à produção do álbum floydiano “Ummagumma“.

A capa e contracapa, fotografadas pelo fotógrafo e amigo de Syd Barrett, Mick Rock e concebida pela Hipgnosis, no mês passado fora devidamente relembrada devido à morte de Iggy “The Inuit” Rose, a modelo então namorada de Syd Barrett que aparece na contracapa do álbum.

The Madcap Laughs” é o “Desire” (icônico álbum de Bob Dylan) de Syd Barrett. A riqueza nostálgica das canções contrastadas com melodias mais alegres e empolgantes permeiam toda esta obra magnífica.

Para David Gilmour, Syd Barrett não precisava nunca se esforçar para compor pois “as canções já estavam nele” e ele na hora H ainda aparecia com improvisações e repentes takes novos no estúdio.

Canções lindíssimas como “Terrapin“,  bem como “Dark Globe” (ambas executadas em tempos recentes por David Gilmour), o clamor em canção “If It’s in You“, “Long Gone“, todas essas belas baladas ao violão com pitadas folk-psicodélicas, contrastadas com as empolgantes e vitaminadas mais calcadas no blues-rock “No Good Trying“, “No Man’s Land” (essa para mim a melhor do álbum juntamente com a faixa derradeira), “Octopus“, “Love You“, nos remetem a uma deliciosa bipolaridade musical que culmina no encerramento com a lisérgica “Late Night”, a derradeira faixa em que Barrett nos convida a uma viagem (talvez sem volta), discorrendo suas cordas da guitarra molhadas em LSD, sobretudo nos takes instrumentais.

Concluindo, “The Madcap Laughs” não alcalçou o objetivo da gravadora EMI que era vender horrores de cópias valendo-se da lenda chamada Syd Barrett, mas fora um sucesso de crítica e é considerado até hoje um dos melhores álbuns lançados no ano de 1970 e figura como um dos melhores álbuns solo de um membro do Pink Floyd, sendo para muitos o melhor.

Ainda que o advento do streaming seja evolutivamente uma realidade, “The Madcap Laughs” é um daqueles discos que vale a pena ter uma cópia física tanto em CD como em LP (ou ambos), por se tratar de uma relíquia fonográfica.

Tracklist The Madcap Laughs:

  • 1. Terrapin
  • 2. No Good Trying
  • 3. Love You
  • 4. No Man’s Land
  • 5. Dark Globe
  • 6. Here I Go
  • 7. Octopus
  • 8. Golden Hair
  • 9. Long Gone
  • 10. She Took a Long Cold Look
  • 11. Feel
  • 12. If it’s In You
  • 13. Late Night
Syd Barrett: Em The Madcap Laughs o louco deixava seu brilho cult como legado

PUBLICIDADE

Assuntos
Compartilhe

Comentários...

Deixe uma resposta

Veja também...

PUBLICIDADE