Confraria Floydstock

Música é assunto para a vida toda

PUBLICIDADE

Blackbriar lança clipe de “My Soul’s Demise”; assista

Revelação do metal sinfônico neerlandês prepara a chegada de seu vindouro 2º álbum

A revelação do metal sinfônico holandês Blackbriar com mais de 214.000 inscritos e 46,1 milhões de visualizações em seu canal oficial no YouTube e com transmissões que ultrapassam mais de 150.000 no Spotify, o quinteto retorna com uma nova faixa/videoclipe intitulada My Soul’s Demise.

Conhecida mundialmente por sua visão taciturna e hipnotizante do metal gótico/sinfônico e ter levado o estilo para um nível mais cinematográfico, o grupo já possui três EPs e um álbum completo em sua discografia. A banda está preparando um novo álbum de estúdio com o colaborador de longa data Joost van den Broek.

Ouça “My Soul´s Demise” aqui:
https://blackbriar.bfan.link/my-soul-s-demise

Assista ao novo videoclipe para “My Soul’s Demise” aqui:

A cantora Zora Cock falou sobre a nova música:

“My Soul’s Demise é uma música sobre amor e dor, onde você está disposto a fazer qualquer coisa por quem você ama, não importa o que aconteça, mesmo que isso signifique que isso irá destruí-lo nesse meio tempo. A pessoa faria o mesmo por você? É inspirado na prática medieval de comer pecados, um ritual em que as famílias enlutadas contratavam um comedor de pecados para consumir os pecados de seus entes queridos. O comedor de pecados comia a comida deixada no peito da pessoa morta. Acreditava-se que a comida absorvia os pecados persistentes do falecido. Os comedores de pecado recebiam quase nada por seus serviços, eram insultados e vistos como pessoas imundas, cheias de pecados. Os aldeões até evitavam olhá-los nos olhos. Aprendi sobre o comedor de pecado ao assistir a um episódio de Outlander, onde um ritual de comer pecados foi introduzido.
 
Agora fica um pouco mais pessoal. Enquanto lia sobre o ritual de comer pecados e escrevia as letras, lembrei-me de uma história que meu pai me contou uma vez. Há muito tempo, meu pai sofria de psicose e foi internado em uma clínica psiquiátrica. Ele me contou muito sobre suas experiências, como era e como sua mente funcionava naquele momento. Ele pensou que era o diabo encarnado, possuído por algo sombrio, e sentiu como se todos sentissem sua presença maligna enquanto ele passava, todos se afastariam dele. Isso me fez escrever a ponte da música “Ninguém pode nem me olhar nos olhos, todo mundo está se afastando de mim quando eu passo”. De alguma forma, a história de um comedor de pecados medieval me lembrou exatamente como meu pai explicou como se sentia, como se tivesse consumido os pecados e as trevas do mundo.
 
Também li sobre o último comedor de pecados conhecido da Inglaterra, que foi uma história muito sincera. Seu nome era Richard Munslow e ele morreu em 1906. Acredita-se que a trágica perda de quatro de seus filhos em idades muito precoces, que morreram em uma semana, pode ser a razão pela qual ele ressuscitou o ritual macabro. Isso me fez escrever a música sob a perspectiva de estar disposto a fazer qualquer coisa por aqueles que você ama.
 
O processo de composição de My Soul’s Demise foi bem rápido. Depois de escrever as letras, gravei algumas das minhas ideias vocais a cappella. É assim que geralmente começamos a escrever uma nova música. Então mandei para o René, com um bilhete dizendo que é uma merda e que provavelmente ele poderia jogar no lixo imediatamente. Haha! Felizmente ele não jogou fora, e realmente gostou do que ouviu, e fez o básico para a música naquela mesma noite. Trouxemos o rascunho da música para nosso produtor Joost van den Broek e trabalhamos um pouco mais nela. Outra parte instrumental foi adicionada, então eu precisava criar mais alguns vocais para essa parte extra. Esta foi a parte da ponte mais ‘silenciosa’, onde estou fazendo algumas coisas estranhas. Eu queria fazer algo com a minha voz como se tivesse acabado de consumir tantos pecados que não aguentasse mais, como se ela tivesse tomado conta do meu corpo, meio que possuído, e se inspirado em Anna von Hausswolff.
 
Filmamos o videoclipe em uma igreja medieval do século 12 no norte da Holanda e levamos dois dias para filmar tudo. Sempre fico fascinada com a atmosfera de estar em uma estrutura tão antiga, gravar esse vídeo foi perfeito e adequado. Tivemos muita sorte de poder ter toda a liberdade e tempo para sermos criativos.
 
Outra coisa que foi perfeita, é que toda a banda teve um papel nessa história, até mesmo nosso ex-baixista Frank. Frank tocou o cadáver, e parecia que fizemos um funeral por seus anos como baixista no Blackbriar, comemorando o tempo incrível que passamos juntos. Uma despedida simbólica. Para este vídeo precisávamos de alguns atores extras para testemunhar o ritual. Abrimos uma chamada de elenco para meus seguidores, então as pessoas que você vê sentadas nos bancos são todas de fãs que contribuem com a banda financeiramente. Mas não apenas fãs, você também pode ver meus pais! Para mim, a história do vídeo em si foi mais desafiadora do que outros vídeos que fizemos até agora. Posso dizer que dei tudo de mim, e espero que vocês sintam algo ao assisti-lo. É uma das músicas mais pessoais do álbum.”

BLACKBRIAR AO VIVO:
 
9 a 11 de junho de 2023 Into The Grave, Leeuwarden, Holanda
Mais shows serão anunciados em breve.
 
Confira também a faixa anterior ‘Crimson Faces’ aqui:

Ouça ‘Crimson Faces’ aqui:
https://blackbriar.bfan.link/crimson-faces
Assista ao videoclipe para ‘Crimson Faces’ aqui:

BLACKBRIAR é:
Zora Cock – VOZ
René Boxem – BATERIA
Bart Winters – GUITARRAS
Robin Koezen – GUITARRAS
Siebe Sol Sijpkens – BAIXO
Ruben Wijga – TELCADO

Blackbriar lança clipe de "My Soul's Demise"; assista

PUBLICIDADE

Assuntos
Compartilhe

Veja também...

PUBLICIDADE